Ande uma milha nos meus sapatos: Elena Ferrante – A amiga genial

Toda vez que publico uma resenha, procuro uma foto das escritoras para acompanhar o texto. Faço isso não somente para deixar o blog visualmente mais interessante e menos monótono, mas também porque acho que é importante conhecermos o rosto dessas mulheres, pois eles também contam um pouco de sua história (lembro até hoje de uma aula na faculdade em que a professora confessou que só … Continuar lendo Ande uma milha nos meus sapatos: Elena Ferrante – A amiga genial

Uma em cada cinco mulheres: Xue Xinran – As boas mulheres da China

Como boa parte das jovens brasileiras da minha idade, sou fã assumida da carioca Jout Jout. Em um dos vídeos dessa semana, ela compartilha com o público a sabedoria de uma frase dita pelo seu primo em um jantar de família: “Gratidão é se desacostumar das coisas”. A YouTuber explica que desde esse dia passou a olhar com gratidão para aspectos da sua vida que … Continuar lendo Uma em cada cinco mulheres: Xue Xinran – As boas mulheres da China

Sou tão alta que não consigo medir minha altura: Malala Yousafzai – Eu sou Malala

No ensaio Sejamos todos feministas (do qual você já deve ter me ouvido falar algumas vezes se é leitor@ cativo do blog), a escritora Chimamanda Ngozi Adichie se lembra de ter ouvido uma professora universitária lhe dizer que feminismo era um valor ocidental antiafricano. No mundo atual, em que países de terceiro mundo lutam para se livrar dos resquícios do colonialismo e buscam ativamente fazer … Continuar lendo Sou tão alta que não consigo medir minha altura: Malala Yousafzai – Eu sou Malala

Quem tem medo de dragão: Ursula K. Le Guin – A mão esquerda da escuridão

Há muito tempo atrás, numa galáxia muito, muito distante, a fantasia e a ficção científica foram banidas do panteão dos deuses da alta literatura pelo seleto grupo que determina o que é e o que não é arte. Esses dois gêneros literários, órfãos, sobreviveram no coração de pessoas que assumem para si o rótulo de nerds ou que lêem esses títulos em segredo, com medo … Continuar lendo Quem tem medo de dragão: Ursula K. Le Guin – A mão esquerda da escuridão

O direito ao grito: Clarice Lispector – A hora da estrela

Ao falarem sobre o processo criativo, muitos escritores afirmam que descobrem os detalhes sobre a personagem enquanto escrevem sobre ela. Escrever, para eles, é muito mais do que passar para o papel uma ideia que já têm na cabeça: é um exercício que os ajuda a ter clareza do caminho que a história vai seguir – quase como um processo arqueológico. No clássico da literatura … Continuar lendo O direito ao grito: Clarice Lispector – A hora da estrela

A polifonia rock’n’roll da passagem do tempo: Jennifer Egan – A visita cruel do tempo

Com frequência, os livros que são elogiados pela crítica especializada não fazem sucesso com o público leitor, pois muitas vezes a linguagem excessivamente rebuscada ou as vivências não-universais das protagonistas afastam o consumidor de cultura comum das grandes obras literárias. A visita cruel do tempo, livro vencedor do Prêmio Pulitzer de Ficção de 2011, é talvez uma das magníficas exceções. Justamente por isso, cara leitora … Continuar lendo A polifonia rock’n’roll da passagem do tempo: Jennifer Egan – A visita cruel do tempo

Coragem, teu nome é mulher: Ayaan Hirsi Ali – Infiel

Em 2004, um extremista religioso assassinou o cineasta Theo van Gogh quando ele chegava de bicicleta na sua produtora de filmes em Amsterdam. O criminoso pregou uma carta no peito da vítima, na qual declarava guerra ao Ocidente e anunciava a próxima vítima: Ayaan Hirsi Ali, com quem Theo havia feito um filme sobre a opressão das mulheres no islamismo, Submissão. O livro auto-biográfico Infiel – … Continuar lendo Coragem, teu nome é mulher: Ayaan Hirsi Ali – Infiel